Colunistas

Criando asas

"Hoje, saímos de casa, peguei o celular pra chamar o uber. 'Mãe! A lotação tá passando! É mais rápido!'"

shutterstock_183037556

(Foto: Shutterstock)

Quando eu tinha a idade do Pedro, ou um pouquinho mais, estava em Montevideo e minha mãe achou mais prático pegar um ônibus na frente do hotel para irmos a algum lugar. 

Ônibus? Eu? 

Nunca tinha entrado num ônibus. Nasci com ela me levando e buscando de carro para todos os lugares, e ainda tinha o Beto, meu fiel escudeiro e cúmplice: o motorista da mãe para ajudar conosco, com a casa, e com o pai que passava o dia no Consultorio. 

Anúncio

FECHAR

Mas ônibus… Bah mãe, Taxi?!

Meu irmão do meio, que pelas minhas contas deve ter nascido já com a mochila nas costas, me larga um grito:

– Ô guria! Qual o problema? Se tu não sabe pegar um ônibus aqui não vai saber em lugar nenhum. E se precisar?

Precisou. 

A gente cresceu, do colégio pra vó era uma lotação só, pega na frente larga na frente! Eba! Vó free!

Depois viajamos com a minha outra avó que nos despachou os dois rio-poa, ele doze eu oito. Emoção.

Mais tarde íamos e voltávamos de uma praia no Uruguai que nem tinha rodoviária de ônibus! O pai fazia a autorização no passaporte: “permitido viajar desacompanhado”!

Meu irmão era meu guia de coragem e transportes públicos.

Lembro bem de meu ano de mochila que liguei pra casa de um lugar chamado “Isle of Skyes”. E ele calmo me perguntou: Tu sabe onde estás? Eu: Claro! Escócia! Highlands! Peguei o backpaking que tu indicou!

– Sim. Mas olha o mapa. Só pra saber que estás quase na Groenlândia!!!

O  mapa era grande pacas!

Há alguns meses atrás eu e o Pedro íamos de carro para a mesma praia, da qual ele voltaria com o motorista, depois de ficar uns dias com a avó, quando a mãe desavisada superou um limite de velocidade. Ok. Estamos sem carro.

E agora? E o Pedro?

Contrato um motorista, ponho na van, usamos o uber todos os dias?

Tudo financeiramente se equiparava. Ele escolheu: uber, lotação, e da escola pra vó a pé.

-Acho legal lotação!

Claro, sempre super bem acompanhado, em horários razoáveis.

Embora neste mês esteja me sentindo mais segura na lotação e no uber do que com ele no carro.

Opiniões. Escolhas.

Hoje, saímos de casa, peguei o celular pra chamar o uber. 

– Mãe! A lotação tá passando! E esta vai pelo IPA! É mais rápido.

Das coisas da minha cidade que aprendi com o Pedro é a eficiência do transporte público, ar condicionado, motoristas em sua maioria cuidadosos, rotas bem explicadas. E com meu irmão, hoje pai, médico, e eterno viajante um aplicativo que me dá todas as opções de como me mover.

Como se eu estivesse em Paris, como diria a Clarice, sem estar, penso o que posso estar onde quiser. E tenho aproveitado a viagem: pessoas, referências, conversas, troca de experiências. 

A vida virou uma crônica cotidiana para mim.

Das coisas que o Pedro está aprendendo neste mês não sei, são muitas, mas acredito que quando ele por a mochila nas costas, se assim o quiser, não vai se apavorar com o metro de Paris e sua confusão de linhas, nem muito menos gastar um ticket pra andar uma quadra e meia por baixo da terra achando que em Londres cada estação deve ter 10km entre uma e outra. 

Este cara já foi. Mais longe que eu.

Paguei a multa e já comprei a mochila.

Leia também:

Tatuagens, piercings e gravidez: 5 coisas que você precisa saber

5 dicas para uma gravidez saudável

Futura mamãe usa jeito inusitado para contar ao marido que está grávida

Pais&Filhos TV