Colunistas

O pediatra dos sonhos

A escolha do médico ou de qualquer profissional precisa estar de acordo com as nossas concepções, princípios e valores

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

Claro que a escolha do médico ou de qualquer profissional precisa estar de acordo com as nossas concepções, princípios e valores. E por isso, na minha percepção, Dr Paulo Alexandre foi o melhor pediatra que minhas filhas tiveram. Era calmo e tranquilo e se dirigia às crianças e não aos pais. Depois de muito conversar com elas, então ouvia-nos. Só neste quesito, ele já era, para mim, o máximo. Afinal, os pacientes eram as crianças e ele sabia muito bem perguntar e as ouvir.

Mas o que eu mais gostava era do final. Ele dava nota aos pais. A criança chegou com corte profundo no joelho? Parabéns, nota 10. Sinal de que a criança está brincando. Piolho? Parabéns, nota 10. Sinal de que sua filha está interagindo com outras crianças. Bicho de pé? Nota 10! Sinal de que anda descalça e entre animais. Bicho geográfico? Bravo! Sinal de que vai à praia. E assim seguia nos mostrando que deixar a criança viver era o melhor a fazer. Claro, com bom senso. A máxima foi quando lhe perguntei qual era a vitamina que não podia lhes faltar. E ele respondeu sem titubear: “Vitamina S.” Corri por minha memória e por quase todo o alfabeto, mas desconhecia tal vitamina e fui logo perguntando em que alimento poderia encontrá-la.

“A vitamina S encontra-se em todo lugar. S de sujeira, Lígia. Esta não pode faltar.”

Anúncio

FECHAR

Lembrei imediatamente de uma amiga que dava banho de água mineral fervida no seu filho de um ano. E não preciso dizer que ele vivia doente.

Dr Paulo sabia das coisas. Sabia que o desenvolvimento integral da criança depende de aprendizagens, e que estas dependem de experiências. Bem como sabia que a superproteção desprotege. Mais do que doutor, Dr Paulo era grande educador, das crianças e dos pais. Provavelmente nem toda mãe ou pai o entendesse. Afinal, como iniciei o texto, a escolha do médico, da escola, das atividades que uma criança faz, depende do que os pais acham importante ao filho de acordo com os conhecimentos e vivências que eles têm. Mas atente-se, pois nem tudo o que parece ser bom, é.

Sou muito grata ao Dr. Paulo Alexandre pela parceria, em prol do desenvolvimento das nossas filhas, e por ter cuidado também de nós.

Desejo a você neste final de ano, pai, mãe e cuidador, que possam rever sempre os estímulos que tem dado à criança, pois é fato que o desenvolvimento requer aprendizagens e que o seu filho precisa de vivências diversas para se aprimorar. Desejo ainda um ano novo repleto de notas dez, com muito amor, aconchego, parceria, paciência, doação, comunicação, determinação, paz, respeito, vida, sem os quais, para mim, não faz sentido a relação pai/mãe e filho. E desejo que os profissionais, que direta ou indiretamente estão ligados ao seu filho, possam ser pessoas em quem você confia, aprende e faz a diferença em sua vida e na dos seus.

Feliz Natal! Feliz 2017! Feliz férias de verão! E até o ano que vem.

 

Pais&Filhos TV