Colunistas

Biquini ou maiô

É normal, pós-filho, a gente não se sentir muito bem com nosso corpo

ana-cardoso-1

(Ilustração: Manita Menezes)

Uma pele, que estica por causa de um conteúdo e depois esvazia, não volta automaticamente ao normal. Se você não está de acordo com esta lei da natureza, não entre nessa de constituir família. É roubada pra quem gosta de tanquinho. Vai inchar, vai ficar mole um tempo, vai ficar estranha. Mas, normalmente é por um tempo. Quem amamenta e logo volta a fazer um atividade consegue perder os quilos a mais rapidamente. Ou não, porque não existe um regra fixa pra isso.

É normal, pós-filho, a gente não se sentir muito bem com nosso corpo. Eu passei meses com uma mancha em forma de risco na barriga. Não é porque a sua barriga não é mais a mesma que você vai mudar completamente os seus hábitos. E, se faz calor e você está na praia ou na piscina, não tem como escapar de um roupa de banho, satisfeita ou não com o seu corpo.

Ainda não temos burkini no Brasil. Do jeito que as coisas andam, com as estudantes não podendo ir de shorts pra escola, não duvido nada que, em breve, roupas de banho que cubram o corpo todo sem mostrar a silhueta cheguem às nossas lojas. Enquanto isso não acontece…

Anúncio

FECHAR

Ficamos no dilema: coloco um biquini e me sinto meio mal ou vou de maiô? Decisão complexa. Fácil apenas para as bem magras ou para quem sempre foi adepta de traje de banho de uma só peça. Antes eu via o maiô como uma desistência da boa forma. Uma abnegação do corpo prévio. “Vou me enfiar num maiozão e ninguém tem nada a ver com isso”. Mas, não é bem assim. E o maiô muitas vezes tem aquele mesmo problema dos vestidos, na hora de amamentar, tem que se pelar demais. Biquini é bem mais prático.

No entanto nos últimos anos, os maiôs ficaram bem mais bonitos. E aí, esconder a barriga, ganhou vantagens. Quer saber? O mais importante nessa época é uma boa saída de praia. De preferência que seque rápido, não desbote no sol, dê pra amamentar, usar como vestido e seja confortável. Difícil é um encontrar uma peça tão cheia de qualidades no mercado.

Dicas de estilo com Bruna Holderbraun e Milena Faé do Closet Detox

– Coisa do passado pensar que maiô é coisa de quem está acima do peso. Uma das tendências mais fortes do momento é o body. Ou seja, o maiô, só que com outro nome – afinal a moda tem dessas, transformar em cool um item comum dos nossos guarda roupas trazendo também um novo nome pra gente transformar também nossa opinião sobre a peça.

– O legal disso é que aumenta consideravelmente as possibilidades de uso: se antes ele era usado por poucos finais de semana por ano, agora tá permitido usar com jeans, saia e no dia-a-dia. A gente adora. E sabe o que é mais legal? O maiô ajuda quem está desconfortável com a barriga, e valoriza as costas. Tira o foco de um lado e aumenta no outro. É um truque que dá pra levar pra vida: cobriu de um lado, mostra do outro. E é assim que a gente acredita que se constrói a silhueta desejada: equilibrando. Se a parte de cima tá justa, usa uma soltinha embaixo, e assim a gente vai se desprendendo desse pode/não pode que a moda adora enfiar nas nossas cabeças.

Leia também:

Conheça Ana Cardoso, a mamãe rock

9 coisas que o pediatra quer que você pare de fazer agora

5 bobagens que estressam uma mãe

Pais&Filhos TV