Colunistas

A grávida do inverno

Ana Cardoso compartilha alguns perrengues que as mães passam nessa época durante a gravidez

abre

(Ilustração: Manita Menezes)

Escrevo essa coluna do Brasil. Do Sul, mais especificamente. Ainda que o mundo ache que a gente está sempre com calor aqui por essas bandas, nós sabemos que não. No ano passado fez muito frio até no Rio de Janeiro e em São Paulo. Aqui no Sul, então, nem se fala.

E só quem já passou ou está passando os últimos meses com o barrigão pra fora do casaco vai entender do que estou falando. Quando está frio a gente se enche de roupa. Meia-calça de lã, vestido quente e até aquelas botas forradas com pêlo, em casos extremos. Grávida é a mesma coisa, porém com três fatores complicantes: a vontade de fazer xixi constante, o calor que dá às vezes simplesmente por gestar um pequeno ser humano e os casacos que não fecham.

Como engravidar no verão é ruim por causa do inchaço, muitas mulheres planejam tudo milimetricamente para acasalar no começo do ano e passar as últimas semanas numa época mais fria. Outras tantas não, se descuidam no ano novo, no carnaval e acabam passando o último trimestre sem suar por pura sorte do acaso.

Anúncio

FECHAR

Às vezes vejo umas mulheres de sobretudo caminhando de costas. Quando se viram, pula aquela barriga pra fora. Parece um kinder ovo. Jaquetinhas, nem pensar. A não ser aquelas que são pra serem usadas abertas mesmo, tipo bolero. Algumas amigas contam que não acham meia-calça adequada, outras reclamam que não conseguem usar botas. Meia calça dá pra cortar no cós e customizar. “No sentido umbigo-ppk”, me ensinou uma amiga advogada que passa a tesoura nas peças até hoje.

Botas… são para poucas. Se no verão nossos pés incham, no inverno é muito pior. A perna inteira fica mais roliça. E botas não são feitas pra quem tem perna grossa, a indústria calçadista tem muito que evoluir nesse aspecto.

Nos agasalhar não é opção, além de não poder ficar doentes, os bebês também sentem frio lá dentro e ficam com soluço. Tadinhos! Atacar o armário do marido ou da mãe sempre é uma solução. Moletons do pai da criança perigam ajudar o bebe a criar vínculo com o genitor. Nem que seja ouvindo a voz: Querida, dá pra você parar de usar as minhas roupas, por favor?

Na minha segunda gestação, que foi até maio, peguei alguns períodos de frio e apelei para um blusão de lã. Meu “uniforme” era bem comprido, cabia a barriga toda dentro. E ainda tinha um coração no meio. Eu ficava parecendo um pirulito de lembrança de aniversário.

Usei-o sempre que caia a temperatura. Se colocava uma blusinha por baixo, ela se enrolava toda em cima da barriga. Depois, nunca mais o vesti porque é impossível conciliar amamentação com blusões que cobrem a bunda. Acabei doando, como fiz com a maioria das roupas das duas gestações. Se tem uma coisa que não muda é isso, verão ou inverno, nasceu o bebê e não queremos mais nem olhar para as roupas que usamos quando estávamos grávidas.

Dicas de estilo e moda por Bruna Holderbaun e Milena Faé, consultoras da closet detox

1. Para qualquer pessoa, de qualquer lugar no mundo, a dica máxima para estar quentinho na oscilação de temperatura de um dia frio é: sobreposição. Com camadas montamos o look perfeito: se esquentar, é só tirar uma; se esfriar mais, é só adicionar outra. E assim vai.
2. O problema é pra grávida: nem sempre a indústria considera que eventualmente haverá uma protuberância no corpo da mulher. O problema é que roupa de inverno é maior, mais pesada e, consequentemente, mais cara. Comprar uma peça nova de tamanho extra pra usar por poucos meses não parece ser uma boa ideia.
3. Mas cardigan todo mundo tem no armário, né? Se não tiver, dá uma folga do armário do marido e vai fazer uma visita no armário da vó. Ela certamente tem alguns pra te emprestar. Cardigan é uma boa nesse momento porque, por ser de tricô, estica, sem precisar ter elastano na composição. E dá pra fechar os botões, podendo se passar por suéter. E, tão prático pra cobrir a barriga, vai ser prático também pra usar quando for amamentar: só abrir os primeiros botões, e pronto. Depois que enjoar é só devolver pra vó.

Leia também:

Assédio sexual: precisamos falar sobre isso

8 bebês que se parecem com celebridades

Tio pode tudo! Quanto mais legal você for, melhor vai ser para o seu sobrinho

Pais&Filhos TV