Bebês

Descoberto novo tipo de câncer ocular em bebês

Pais podem detectar alterações de forma simples; exame no oftalmologista deve ser bem cedo

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Equipe de pesquisadores liderados pela oftalmologista Brenda Gallie, do Princess Margaret Cancer Centre, em Toronto, Canadá, descobriu um novo tipo de retinoblastoma – câncer ocular que acomete mais as crianças. A descoberta nos retorna a ponto que sempre ressaltamos em nossas matérias. A importância da primeira consulta do bebê ao oftalmologista e a constante observação dos pais.

O oftalmologista Renato Neves em São Paulo, diz que é importante que os pais prestem muita atenção aos olhos do bebê. Além de levar a criança com menos de seis meses a um primeiro checkup oftalmológico, é importante notar alterações como um brilho amarelado ou esbranquiçado nos olhinhos. “Às vezes, por conta da rotina atribulada, é mais fácil os pais detectarem o problema através de fotos. Não raro, um olho aparece avermelhado, por causa do flash, e o outro esbranquiçado, mostrando que há algo de errado a ser investigado”.

Anúncio

FECHAR

De acordo com o médico, os pais devem estar sempre atentos a doenças oculares silenciosas que podem progredir rápida e agressivamente. Seja através de fotos, seja em ambientes com baixa luminosidade, é possível detectar problemas a partir do brilho dos olhos. “Um brilho diferente pode ser sinal de retinoblastoma ou de infecções congênitas como a toxoplasmose, malformações retinianas, presença de diferença de graus ou miopia e astigmatismo acentuados. Uma em cada 80 crianças apresentará esse tipo de brilho em um ou em ambos os olhos. O importante é saber que em 80% dos casos é possível tratar a doença e evitar a perda da visão.”

Esse novo tipo de tumor maligno descoberto se desenvolve rapidamente entre bebês com menos de um ano. A importância do estudo está principalmente no fato de terem reconhecido que um único gene cancerígeno (oncogene) leva ao desenvolvimento desse tipo de retinoblastoma mesmo antes de a criança nascer.

“Essa pesquisa desafia o pensamento tradicional e a prática médica. O tipo comum de retinoblastoma tem início a partir do dano provocado às duas cópias do gene RB1. Como a predisposição à doença pode ser hereditária e inclusive atingir o outro olho da criança, conseguimos identificar o oncogene responsável por esse novo tipo de câncer ocular – que é bem maior que o comum. Ao remover o olho que apresenta um tumor bastante grande em bebês jovens, acreditamos haver risco zero de o retinoblastoma se desenvolver no outro olho e ser transmitido aos futuros filhos e netos dessa criança. Trata-se de um grande avanço na medicina personalizada”, diz a doutora Brenda.

O primeiro exame de vista

Os oncogenes são derivados de genes normais que levam a célula a uma divisão descontrolada, resultando em câncer. O especialista alerta sobre a importância do diagnóstico precoce do retinoblastoma: “Apesar de raro, pode levar à perda da visão ou ainda ser fatal. Quando diagnosticado precocemente, é um câncer que pode ser destruído, preservando-se o olho tanto quanto possível. Em casos mais graves, a retirada do olho é uma das medidas tomadas para que a doença não evolua, se espalhando para outras partes do corpo. Por isso, a participação dos pais no diagnóstico precoce dessa doença é fundamental”.

Consultoria: Dr. Renato Augusto Neves, cirurgião-oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos (SP) e autor do livro “Seus Olhos”.