Bebês

Casal faz documentário para falar sobre a perda do filho poucos dias antes de nascer

"O Segundo Sol" traz depoimentos de cinco famílias que viveram essa perda

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

rafaella_segundosol

(Foto: Reprodução/Eliza Guerra)

Falar de dor é algo muito pessoal. Perder alguém querido, perder um amigo. Perder o pai, a mãe. Cada um sente a sua dor e vive o seu luto de maneira particular. Mas se existe um acordo comum quando falamos de perda, é a dor da perda de um filho. Quem é mãe ou quem quer ser mãe ou pai um dia, não quer nem falar sobre isso. Desafia a lógica, as expectativas. Vai contra a lei natural da vida.

Sem ter como medir essa ausência e sem encontrar voz para expor seu sofrimento, o casal Rafaella Biasi e Fabricio Gimenes partiu da própria dor de perder o filho Miguel, dias antes do nascimento, para tocarem um projeto com tema duro: um documentário sobre a perda gestacional, quando o bebê morre antes do parto, e a perda neonatal, quando o bebê morre logo após o parto.

cartaz_osegundosol

(Foto: Divulgação)

O Segundo Sol” reúne relatos de cinco famílias que vivenciaram essas perdas. São depoimentos emocionados e emocionantes sobre a espera pelo filho tão desejado e querido, e o momento da morte. Como lidar com essa notícia?
O documentário joga luz num tema tão difícil, mas ainda tratado como tabu, já que o acolhimento para esse tipo de luto costuma ser tímido – como se a vida do bebê não tivesse existido, e principalmente, como se essas famílias não fosse afetadas, suas vidas não sofressem mudanças.

Anúncio

FECHAR
rafaella_gestacao_osegundosol

Rafaella, grávida de Miguel (foto: Divulgação)

Rafaella perdeu Miguel nos últimos dias de gestação, já no pré-parto. Pariu um filho sem vida. Dessa perda surgiu a necessidade de falar, dar voz ao seu luto. E dessa necessidade nasceu “O Segundo Sol”. O filme busca questionar o tratamento recebido por essas mães que vão sair do hospital sem o filho nos braços. Além das famílias, uma doula, uma psicóloga, uma psicoterapeuta e um obstetra participam do filme.

O documentário, no entanto, não é feito somente de lamentos. O aspecto mais forte do filme é a investigação sobre o ponto de virada de cada uma dessas histórias. De onde veio a mudança? Quando o casal descobriu que ainda havia vida a ser vivida, e que contando a sua história, trocando com outras famílias que viveram a mesma perda, talvez pudessem encontrar medida para uma dor que não possui medida alguma.

“O Segundo Sol” está disponível na íntegra no YouTube: