Especiais

As novas regras do jogo: como usar a internet do jeito certo

A Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou novas recomendações sobre o uso da tecnologia

selo-240x89
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

A tecnologia faz parte da vida de todo mundo na atualidade, as crianças já nascem nesse mundo cheio de telas e dispositivos eletrônicos. A novidade é que a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou a cartilha Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital com 50 itens para instruir o uso adequado da tecnologia para pais, crianças, adolescentes e pediatras.

De acordo com a pesquisa TIC Kids Online Brasil, realizada pelo Comitê Gestor de Internet (CGI) e o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação (Cetic.br), 80% das crianças e adolescentes de 9 a 17 anos de idade são usuários da internet. Sendo que, nos últimos 12 meses, 8,8 milhões deles viram alguém ser discriminado no ambiente virtual.

O uso intenso da tecnologia influencia comportamentos e hábitos desde a infância, podendo causar prejuízos e danos à saúde. Por exemplo, o uso precoce e de longa duração de jogos online, redes sociais ou diversos aplicativos com filmes e vídeos na Internet, por crianças e adolescentes podem causar dificuldades de socialização e conexão com outras pessoas, assim como dificuldades escolares.

Anúncio

FECHAR

O acompanhamento dos pais sobre o que as crianças fazem no ambiente virtual é essencial para evitar uma série de problemas, que vão desde o cyberbullying até a pedofilia. Na pesquisa TIC Kids Online Brasil, 11% dos pais nada sabiam sobre as atividades do filho online e 41% sabiam mais ou menos.

Dentre as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria, estão:

– Limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de 1 hora por dia para crianças entre 2 a 5 anos de idade. Crianças entre 0 a 10 anos não devem fazer uso de televisão ou computador nos seus próprios quartos.

– Crianças menores de 6 anos não devem ter contato nenhum com jogos online que contenham cenas de tiroteios com mortes ou desastres que ganham pontos de recompensa como tema principal. Esses conteúdos banalizam a violência como algo viável para a resolução de conflitos.

– Equilibrar as horas de jogos online com atividades esportivas, brincadeiras, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza.

– Conversar sobre as regras de uso da Internet, configurações para segurança e privacidade e sobre nunca compartilhar senhas, fotos ou informações pessoais ou se expor através da utilização da webcam com pessoas desconhecidas, nem postar fotos íntimas ou nudes, mesmo com ou para pessoas conhecidas em redes sociais.

– Monitorar o uso da internet, principalmente das redes sociais.

– Usar antivírus, antispam, antimalware e softwares atualizados ou programas que servem de filtros de segurança e monitoramento para palavras ou categorias ou sites

– Aprender / Ensinar a bloquear mensagens ofensivas ou inapropriadas.

– Conversar sobre valores familiares e regras de proteção social para o uso saudável, crítico, construtivo e pró-social das tecnologias usando a ética de não postar qualquer mensagem de desrespeito, discriminação, intolerância ou ódio.

– Desconectar e dialogar para aproveitar o tempo em família.

Esse assunto será discutido no nosso Encontro Conexões, que acontece no dia 19/11, e contará com a presença de Alessandra Borelli, que participou como colaboradora da produção do manual Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital.

Leia também:

A internet não é terra sem lei. Pode apostar!

Se seu filho está muito tempo online é porque você deixa!

Alerte seus filhos sobre os perigos da internet

rodape-2VIVO