Criança

Veja o guia para lidar com as mentiras em cada idade do seu filho

Sim, as crianças mentem. Aprenda como ensiná-las a largar o hábito

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Mentira em casa idade criança

(Foto: Shutterstock)

Como os primeiros modelos na vida de uma criança, os pais tem um papel vital em demonstrar honestidade. Eles também têm a maior influência quando se trata de instalar um compromisso com a verdade. Conforme as crianças amadurecem e adquirem um maior senso de etiqueta social, cabe aos pais ajuda-las a diferenciar as pequenas mentiras para não magoar os outros, da desonestidade.

Entenda a diferença entre mentira e imaginação

10 sinais clássicos de que seu filho está mentindo – e você nem desconfiava

Anúncio

FECHAR

“Todas as crianças mentem. Ensiná-las sobre a importância da honestidade cedo e como resolver situações para que não precisem se escorar nas mentiras, irá assegurar a honestidade – a maior parte do tempo”, diz Dra. Victoria Talwar, professora associada ao Departamento de Educação e Aconselhamento Psicológico da Universidade McGill, em Montreal, nos Estados Unidos.

Adultos e crianças mentem por motivos parecidos: evitar problemas, ganho pessoal, impressionar ou proteger outra pessoa, ou ser educado. Aprenda como agir apropriadamente quando crianças de diferentes idades são pegas mentindo.

Nariz de Pinóquio

6 mentiras que costumamos contar para os nossos filhos

Entre 2 e 4 anos

Devido ao fato de suas habilidades da fala ainda estarem sendo formadas, crianças no início dessa fase ainda não tem ideia de onde começa e termina a verdade. Nessa idade eles ainda têm uma dificuldade em discernir o que é realidade, sonhar acordado, sonhos, fantasias e medos, afirma Dra. Elizabeth Berger, conselheira de pais, psiquiatra infantil, e autora do livro Raising Kids With Character. “Fortes emoções podem fazer com que o seu filho de 2-3 anos insista que o irmão comeu a bolacha dele, quando claramente isso não aconteceu”, afirma. Quando coisas do gênero acontecerem, tente uma resposta diplomática, que incite dúvida, como “É mesmo? Então isso que eu estou vendo no seu queixo não devem ser migalhas”. Falando assim, você evita entrar em uma briga. Até os 3 anos, as crianças são novas demais para ser punidas por mentiras, mas os pais podem começar a encorajar a sinceridade. Ler histórias como a do Pinóquio pode te ajudar!

Perto dos 4 anos, as crianças começam a verbalizar mais e podem dar respostas óbvias e diretas como “Não” ao serem perguntadas se bateram no irmão. Use cada oportunidade que tiver para introduzir o assunto (o ideal é logo após ele ter contado a mentira, já que a memória estará fresca). Comece com “vamos falar sobre mentir e porque isso não é bom”. “Não deve ser uma conversa longa, mas dê ao seu filho a mensagem de que honestidade é importante”, afirma Dra. Talwar.

Em resposta a uma mentira, seja firme e diga “Não me parece que você está dizendo a verdade” ou “Você tem certeza absoluta de que isso aconteceu?”. Deixe bem claro de que você não está convencido pelo que ele disse, mas deixe passar depois de ouvi-lo e ensiná-lo. Evite confrontar o seu filho ou caçar a verdade, a não ser que a situação seja séria e exija mais atenção.

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

4 mentiras que contamos para nossos filhos e que influenciam a personalidade deles

Bom exemplo é a melhor forma de educar

Entre 5 e 8 anos

Nessa fase as crianças contarão mais mentiras para testar até onde podem chegar, especialmente em relação à escola – aulas, lição de casa, professores e amigos. Manter as mentiras pode ser difícil, ainda que eles consigam lidar melhor com elas. “As restrições e responsabilidades nessa idade normalmente são muitas para essa idade”, afirma Dra. Berger. “Como resultado, as crianças mentirão com frequência para amenizar as forças que parecem exigir mais do que elas podem oferecer”. Mas, ainda bem, a maioria das mentiras (“Não tenho lição de casa hoje”) são relativamente fáceis de detectar. Converse abertamente com seu filho e continue lendo histórias que remetem à importância da verdade junto com ele.

Mais importante do que elogiar a sinceridade do seu filho, é ser um bom modelo, já que nessa fase ele será muito observador. Tenha cuidado com as mentiras que você usa – ainda que seja algo pequeno, como “diga que não estou” – porque elas podem criar uma mensagem confusa para ele. “Não importa quando você fale sobre a importância da honestidade, você menospreza essa mensagem se o seu filho te ver sendo desonesto”, Dra. Talwar explica.

Mensagens duplas

9 segredos para criar uma criança mais feliz e confiante

Entre 9 e 12 anos

A maioria das crianças nessa idade estão trabalhando arduamente para estabelecer a confiança e a consciência de identidade. Mas elas também estão se tornando mais adeptas a manter mentiras e mais sensíveis às repercussões de suas ações, e elas devem ter uma maior sensação de culpa após mentir. Longas e francas conversas sobre honestidade definitivamente são necessárias, já que pequenas mentiras ou alguma desonestidade são aceitáveis, desde que usadas para ser educado ou poupar os sentimentos de outra pessoa. Quando situações como essas aparecerem, seja direto com seu filho para evitar mensagens confusas. Comece a conversa com “Você sabe que dizer a verdade para os seus pais é sempre importante, certo? Bom, existem momentos em que também é muito importante ser educado e não machucar o outro. Se estamos visitando amigos e eles servem uma refeição que você não gosta, não é educado fazer um escândalo e recusar. Você deve comer e agradecer. Assim, será convidado mais vezes”.

Bons modelos são cruciais para o seu filho, então considere pedir para parentes próximos ou vizinhos para que ajudem-no a desafiar as interações sociais. “Crianças que estabeleceram uma relação com seus pais, onde se sentem confortáveis para conversar e divulgar informações, tendem a dizer mais verdades”, afirma Dra. Talwar. “Mas também perceba que seu filho nem sempre dirá a verdade. Pensar um pouco sobre o motivo que ele tem para mentir, te ajudará a responder apropriadamente”, diz.

Escute. Não ouça

6 problemas de comportamento do seu filho que você não deve ignorar

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não
Envie sugestões
×

Envie suas sugestões