Criança

Mãe ensina a filha que ela pode bater de volta, sim!

Em depoimento, Jackie explica por que ela faz isso

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: Reprodução / The Huffington Post)

(Foto: Reprodução / The Huffington Post)

Jackie Goldschneider é mãe de três filhos meninos e de uma menina. Além disso, escreve para o site Huffington Post. Essa semana ela contou que todos os dias seus filhos chegam em casa gritando “Mamãe, ele me bateu” e, em seguida respondem, “Mas mamãe, ele me bateu primeiro.”

Ela teve a iniciativa de escrever esse relato porque acredita que a maioria dos pais de meninos sabe o que ela passa. “Quando isso acontece, eu coloco os meninos na minha frente, grito com eles para não usarem as mãos (mesmo eu ameaçando a usar as minhas) e, em seguida, mando eles de volta para a brincadeira”.

Já com sua filha, que muitas vezes sai correndo pela casa, gritando: “Mamãe, ele me bateu”. “É apenas a minha filha, as lágrimas escorrendo pelo seu rosto, aos 6 anos de idade, exibem sua agonia esperando que eu faça justiça por ter sido agredida”, conta a mãe.

Anúncio

FECHAR

Quando isso acontece, Jackie faz o seguinte: chama o irmão, pergunta se ele realmente bateu na garota e, em seguida, manda o menino ficar parado e a mãe fala para a filha bater de volta. E ela faz!

“Eu sei que há um monte de pessoas que não aprovam e que vão dizer que sou uma péssima mãe ou  irão apontar os males que estou causando. Mas é o que eu devo fazer”, desabafa.

Agora, entenda o porquê:

“Porque ela precisa saber que ela é forte. Porque eles precisam saber que ela é forte. Porque ninguém está autorizado a colocar suas mãos sobre ela. Porque ela precisa confiar em si mesma. Mas como eu disse, tenho certeza que a maioria das pessoas que vão discordar e pensar que a violência nunca é uma resposta. E em resposta eu garanto: Eu ensinei a minha filha a nunca ser o agressor e usar apenas as mãos (ou pés ou cotovelos) se for para se defender. Moral da história para os meus filhos: Tudo o que vocês têm a fazer é manter suas mãos longe dela.”, explica em seu texto.

Leia também:

Gritar com crianças é tão ruim quanto bater nelas

Castigo para pensar nem pensar!

9 coisas estranhas que seu filho faz