Criança

Criança precisa de autonomia! Saiba como acertar a medida

Independência não é sinônimo de falta de limites

Carolina Piscina

Carolina Piscina ,filha de Ana Maria e Osvaldo

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

Autonomia é um daqueles temas que são complicados. Afinal, como é possível saber até onde o seu filho pode ir? Como estabelecer esse limite? Essas dúvidas atingem muitos pais que, por vezes, acabam se achando protetores demais ou então liberais em excesso.

Mesmo nas pequenas coisas, a autonomia está presente. Não precisa ir muito longe para entender esse conceito, o simples ato de se sentar sozinho já representa um avanço na independência do seu filho. Com isso em mente, os pais podem incentivar as crianças a desempenharem sozinhas as atividades que elas já são capazes de fazer sem a ajuda de um adulto.

Porém, é importante ter em mente que essas tarefas sem auxílio não são sinônimos de tarefas sem supervisão. As crianças aprendem o tempo todo e você precisa estar ao lado para orientá-las. Deixe que elas pensem em como resolver um problema e ofereçam a solução, mas esteja presente para poder guiá-las em direção a isso.

Anúncio

FECHAR

“Muitas vezes nos deparamos com pais que, na correria do dia a dia, acabam realizando as tarefas pelos filhos, resolvendo os conflitos naturais da infância e tudo isso na intenção de protegê-los. É importante que os pais encorajem seus filhos a enfrentar situações de maneira cada vez mais independente”, explica Lucelena Souza, mãe de João Victor e Henrique, pedagoga e psicopedagoga, especialista em orientação familiar (Sedes Sapiens), organizadora e revisora de material didático e coordenadora pedagógica da escola Eduque.

Você pode analisar se o seu filho precisa de mais espaço por meio da observação do comportamento. Um grande indicador é se ele precisa de aprovação em tudo o que faz. “É comum nos depararmos com crianças que apresentam boa capacidade de aprendizagem, mas que não se julgam capazes de tomar nenhuma iniciativa, de fazer escolhas sem que se apoiem na opinião ou na confirmação do adulto ou mesmo do colega”, afirma Lucelena.

Deixe que o seu filho experimente, faça escolhas e supere pequenos desafios. Quer saber mais ainda sobre o assunto? Na edição de outubro da revista teremos uma matéria falando sobre autonomia versus superproteção e como achar o caminho do meio. Não perca!

Leia também:

O passo a passo da autonomia

Criança precisa de limites

Saiba como montar um quarto Montessoriano