Colunistas

Quem ama não guarda os brinquedos

Ensinar filhos a terem responsabilidades influencia na capacidade de aprendizado (Foto: Shutterstock)

Ensinar filhos a terem responsabilidades influencia na capacidade de aprendizado (Foto: Shutterstock)

Estamos muito felizes com essa primeira coluna aqui no site da Pais & Filhos. Somos mãe e filha, fundadoras do site “Socorro, meu filho não estuda!”. Tudo começou com a ideia de ajudar pais a melhorar a relação de seus filhos com os estudos. Com o tempo e muito trabalho, a ideia virou site, livro, canal de YouTube, e ainda tem mais novidades vindo por aí… =)

Já que é início de ano letivo, pensamos que seria legal contar para vocês, pais, que um bom relacionamento de seu filho com os estudos começa muito antes dos seis anos, idade em que nossas crianças iniciam o ensino fundamental.

Uma das principais causas da dificuldade e falta de interesse que nossas crianças têm enfrentado em relação aos estudos pode ser eliminada durante a primeira infância. Com algumas mudanças simples na rotina é possível prevenir problemas sérios que só aparecem quando a criança está com 8 ou 9 anos de idade.

Anúncio

FECHAR

Leia também:

Volta às aulas: Fique atento aos problemas de visão nas crianças

Escolas devem iniciar ano letivo já preparadas para combater o bullying

Dicas para facilitar o ano escolar

Durante os primeiros anos de vida, seu filho está formando a memória de longo prazo. É lá que, pelo resto da vida como aluno, ele irá buscar a fonte de informações necessárias para transformar os novos conteúdos escolares em aprendizado.

E você consegue imaginar como ajudá-lo a enriquecer o arsenal dessas memórias?

Acertou se você pensou em qualquer tipo de divisão de responsabilidade! Sim, quanto mais cedo seu filho sentir-se responsável por alguma atividade, mais rica será sua memória de longo prazo de procedimentos, logo, maiores as chances de ter uma relação agradável com os estudos e com a aprendizagem constante.

Na prática você só vai precisar se policiar para não fazer – ou deixar que alguém faça – por seu filho o que ele mesmo pode conseguir sozinho.

Como ajudá-lo

A melhor dica é começar com os brinquedos. No início você guarda, mostrando e explicando para ele o que está fazendo. Assim que ele começa a andar, você o ajuda a guardar cada peça dos brinquedos que espalhar. E assim será somente um próximo passo natural para que ele guarde sozinho seus brinquedos sempre antes que esteja cansado demais para isso.

Além dos brinquedos – que deve seguir enquanto brincar for parte da vida da criança, seu filho pode ajudar na organização de seus pertences, com pequenas adaptações dentro da casa:

– Coloque ganchos na parede do quarto, na altura que seu filho possa alcançar. Ao invés de pegar a roupa no armário e ajudá-lo a vestir, pendure a roupa que ele vai usar no gancho e peça que ele pegue. Você continua a ajudar, caso ele ainda precise de seu apoio para abotoar ou fechar o zíper;

– Deixe que ele mesmo coloque a roupa suja no cesto;

– Peça ajuda para colocar e tirar a mesa, deixando que ele ajude a levar da gaveta até a mesa objetos que não ofereçam perigo, como jogo americano e colher;

Além de enriquecer a memória de longo prazo, seu filho desenvolverá melhor autoestima, na medida em que você elogia o esforço em cada uma das tarefas que ele executar com você.

E como se autoestima mais elevada e memória de longo prazo rica não fossem ganhos suficientes, seu pequeno estará desenvolvendo senso de responsabilidade, fator fundamental para a concentração que ele precisará no estudo durante a adolescência!

Fobia escolar: Saiba como identificar se seu filho sofre do problema

Troca de livros e uniformes gera economia no início do ano letivo

Adaptação escolar exige parceria entre pais e educadores; Entenda